top of page
Blog das Piscinas Naturais de Porto de Galinhas
  • Foto do escritorAJPG

Adote um coral: Você pode ajudar a salvar florestas submersas em PE



Em 2021, a Ecoa repercutiu o trabalho da Biofábrica de Corais, uma startup criada para restaurar corais com berços criados em impressoras 3D em Pernambuco. Um ano depois, após 1,2 mil mudas serem colocadas em cultivo em Porto de Galinhas e Tamandaré, o projeto planeja uma expansão. Estão nos planos um novo trabalho em Alagoas e, ainda, lançar um programa próprio de turismo. Com mergulhos guiados por cientistas, a ideia é que turistas vejam em breve - e de muito perto - o impacto da iniciativa no fundo do mar.


A ideia da criação de um projeto de "turismo regenerativo", com proposta científica, é vista com ansiedade dentro da startup. Lançado oficialmente em 29 de junho deste ano, o programa precisou ser adiado devido às fortes chuvas que atingiram Pernambuco, principalmente naquele mês. "A gente imagina que vai começar as atividades na primeira semana de setembro", adianta Rudã Fernandes, coordenador científico da Biofábrica de Corais.


Criado para promover três tipos de experiência, o programa é visto como uma possível nova fonte de renda para o projeto. Além do chamamento para turistas, a startup está lançando o programa "Adote um Coral", que possibilita que amantes da natureza se tornem tutores de corais avaliados entre R$ 60 e R$ 3 mil. "Eu espero que as atividades sejam responsáveis por dar escala para as nossas ações. Serão mais pessoas colocando a mão na massa", afirma Rudã.


Mas o que é um coral?


Por mais que sejam conhecidos como "florestas tropicais submersas", os corais são plantas. Trata-se de um animal cnidário, como as anêmonas-do-mar e as águas-vivas, com a diferença de ser imóvel e conectado por um esqueleto de carbonato de cálcio.


Os corais vivem em simbiose com os pólipos, que fornecem nutrientes e oxigênio por meio da fotossíntese. Os organismos se unem para formar os recifes de corais, que servem de lar para 25% de organismos que habitam os oceanos. Entre outras vantagens, eles são capazes de transformar o CO2 em oxigênio e fornecem matéria-prima para o setor farmacêutico.


Os motivos para salvar os corais, portanto, são muitos - e inclusive econômicos. Como cerca de 80% de todo o turismo do mundo ocorre em áreas costeiras, a Biofábrica estima que os recifes de corais rendam US$ 36 bilhões em receita de turismo, mobilizando 350 milhões de pessoas por ano.


O programa de turismo


Tendo em vista a oportunidade financeira, a Biofábrica de Corais quer mostrar para os turistas in loco o trabalho de restauração de corais. No dia a dia, os cientistas da startup coletam os corais enfermos tombados no fundo do mar e os colocam em mesas de cultivo, os chamados berços, posicionados em piscinas naturais. Após o crescimento dos organismos, eles são transplantados de volta na natureza.


A Biofábrica de Corais pretende promover três tipos de experiências turísticas:


1. Propósito Recifal (R$ 300): turistas poderão flutuar pelos berçários de corais com a ajuda de snorkel - um tubo acoplado à máscara de mergulho e colocado na boca do mergulhador. Não é preciso saber nadar. Duração: três horas.


2. Imersão Oceânica (R$ 800): turistas poderão mergulhar com a ajuda de cilindros e participar de pequenas ações de manejo de corais embaixo d'água. Duração: quatro horas.


3. Liberdade Azul (R$ 1,1 mil): nesta experiência, criada para atender o público jovem das redes sociais, o turista mergulha apenas com uma máscara de mergulho, um respirador e nadadeiras e ver de perto os corais restaurados. De quebra, ganha um ensaio fotográfico subaquático exclusivo. Duração: quatro horas.


Fonte: Ecoa - UOL

Commenti


bottom of page